Pin It

Sistema Nervoso

O que é Miastenia Gravis? Um distúrbio neuromuscular autoimune

A miastenia Gravis é um distúrbio neuromuscular autoimune. Normalmente, o sistema imunológico do corpo produz anticorpos para atacar os germes que invadem o corpo.

“Autoimune” significa que o sistema imunológico de uma pessoa está funcionando mal e cria anticorpos que atacam as próprias células da pessoa. Na miastenia gravis, os anticorpos interferem na transmissão dos sinais nervosos aos músculos. Em outras palavras, os músculos não recebem o sinal dos nervos para se mover.

Miastenia Gravis Sintomas

Muitas vezes, uma pessoa terá fraqueza muscular específica e não cansaço geral ou fadiga. Os músculos mais comumente afetados são:

  • Pálpebras caídas (primeiro sintoma em 2/3 de todos os pacientes)
  • Fraqueza bucal, levando a problemas para mastigar, engolir ou falar (primeiro sintoma em 1/6 dos pacientes)
  • Fraqueza nos braços ou pernas (menos comum como primeiro sintoma )

Uma pista é que a fraqueza varia ao longo do dia, geralmente sendo leve quando a pessoa acorda, mas piora à medida que o dia passa, especialmente se a pessoa estiver usando muito os músculos afetados.

Essa fraqueza é diferente, por exemplo, do cansaço que alguém sentiria nas pernas depois de ficar de pé ou trabalhando o dia todo. “Fraqueza” significa não ser capaz de se mover, ou apenas mal conseguir mover, um músculo em particular.

Outros fatores que tornam a fraqueza muscular pior estão sendo emocionalmente perturbados, estando doentes (especialmente infecções respiratórias virais), problemas de tireóide, aumento da temperatura corporal, menstruação e gravidez.

Miastenia Gravis Causas

A miastenia grave não é hereditária e não é contagiosa. Não está claro por que as pessoas desenvolvem o distúrbio, embora alguns pesquisadores acreditem que possa ser de um problema genético.

Nos Estados Unidos, cerca de 14 em cada 100.000 pessoas desenvolvem miastenia gravis, embora os pesquisadores acreditem que os números sejam provavelmente mais altos, já que o distúrbio geralmente não é diagnosticado corretamente. Para as mulheres, o distúrbio geralmente começa nos 20 e 30 anos; para homens, geralmente depois dos 50 anos.

Miastenia Gravis Diagnóstico

Se uma pessoa tem sintomas que sugerem que ele pode ter miastenia gravis, existem testes que podem ser feitos para confirmá-la. O teste mais específico é verificar o sangue quanto à presença de anticorpos anormais usando o teste de anticorpos do receptor de acetilcolina. A presença dos anticorpos confirma o diagnóstico.

Outro teste confiável é o teste de cloreto de edrofônio (teste Tensilon). Este produto químico é injetado em uma veia e, se a força muscular melhora após a administração, é um forte suporte para o diagnóstico. No entanto, às vezes, um ou ambos os testes são negativos ou não estão claros em alguém que parece ter miastenia gravis.

Tratamento

Os tratamentos comuns para a miastenia gravis incluem:

  • Medicamentos como Mestinon (brometo de piridostigmina) e Prostigmina (brometo de neostigmina)
  • Medicamentos corticosteróides, como a prednisona
  • Medicamentos que suprimem o sistema imunológico, como Imuran (azatioprina) e ciclosporina
  • Remoção do timo (timectomia), principal glândula do sistema imunológico
  • Troca de plasma (plasmaférese), na qual o plasma sanguíneo da pessoa contendo os anticorpos anormais é removido e o plasma fresco é colocado de volta

Prognóstico

Pessoas com miastenia gravis podem, na maioria dos casos, levar uma vida plena. Às vezes, a fraqueza muscular resolve até o ponto de não ser um problema (chamado de remissão espontânea).

Para algumas pessoas, a fraqueza é apenas nas pálpebras. Para outros, a fraqueza avança para um ponto e permanece nesse nível.

Raramente, e geralmente nos dois primeiros anos do distúrbio, a fraqueza pode se estender aos músculos que controlam a respiração, e a pessoa terá que ser hospitalizada. Não há cura para a miastenia grave, mas os tratamentos geralmente são eficazes para minimizar seus problemas.

Pesquisadores que buscam uma cura para o transtorno estão se concentrando em corrigir o problema no sistema imunológico que cria os anticorpos anormais.

Os pesquisadores também estão examinando toda a cadeia de eventos no corpo que ocorre com a liberação dos anticorpos, para ver se eles podem interromper o processo ao longo do caminho e impedir que os anticorpos causem problemas.

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
x