Causas

Causas e fatores de risco da mononucleose

A mononucleose (mono) é geralmente causada pelo vírus Epstein-Barr (EBV), embora doenças do tipo mono sejam produzidas por outros vírus e organismos.

O mono é espalhado principalmente pela saliva, razão pela qual é comumente chamada de “doença do beijo”. Alguém com mono pode ser considerado contagioso por vários meses.

Na idade adulta, a maioria das pessoas foi infectada pelo EBV, mas pode ter apenas sintomas leves em vez de mononucleose.

Causas comuns da mononucleose

A infecção pelo vírus Epstein-Barr (EBV) ou, menos comumente, citomegalovírus (CMV), causa mononucleose. Além disso, vários outros vírus e o parasita Toxoplasma gondii causam doenças com sintomas semelhantes que podem ser diagnosticados como mononucleose.

Como o Mono se espalha: O EBV é comumente espalhado pela saliva. Contato próximo e atividades como compartilhar um copo, palha ou utensílio para comer podem espalhar o EBV.

Também pode ser transmitida por outros fluidos corporais, incluindo muco, sangue, sêmen e fluidos vaginais. A disseminação geralmente é de alguém que está eliminando o vírus, mas não apresenta sintomas.

Os sintomas geralmente se desenvolvem de quatro a seis semanas após a exposição ao vírus, dificultando a identificação de como você adquiriu a infecção.

Prevalência e grupos etários: Cerca de metade de todas as crianças foram infectadas pelo EBV antes dos 5 anos, geralmente sem sintomas ou apenas uma doença leve.

Cerca de 95% da população adulta nos Estados Unidos foram infectados com EBV. A infecção geralmente causa sintomas e doenças em adolescentes e adultos jovens. Se você é um adolescente infectado com o vírus sem o ter com menos idade, pode desenvolver uma doença mononucleótica em cerca de 25% do tempo.

Bebês menores de 1 ano raramente ficam mono porque recebem anticorpos de sua mãe que os protegem durante vários meses de vida. Uma mãe com uma infecção por EBV ativa ou reativada pode transmitir o vírus para o bebê, mas isso geralmente não resulta em sintomas ou doença no bebê.

Período contagioso e recorrência: os pesquisadores não sabem ao certo quanto tempo uma pessoa com mono agudo permanecerá contagiosa.

Embora muitos apresentem o sinal “tudo claro” após seis meses, vários estudos demonstraram que pode haver um potencial de infecção por até 18 meses. Isso ocorre porque o vírus EBV ainda pode estar ativo, mesmo se você não tiver sintomas.

Depois de ter sido infectado com o EBV, você forma anticorpos que impedem que você o pegue pela segunda vez. Dito isto, é um tipo de herpesvírus e, como outros da família, nunca sai do seu corpo. Após a infecção inicial ter sido totalmente resolvida, o vírus entra em dormência e geralmente permanece em um estado não-infeccioso.

Se sua resposta imune for prejudicada no futuro, existe o potencial de o vírus se reativar e ser contagioso para os outros novamente. Nesses casos, você pode se sentir cansado ou ter glândulas inchadas, mas não saiba que é contagioso.

Em outros momentos, não haverá sintomas. Se o vírus derramar ativamente na saliva e em outros fluidos corporais, você poderá transmitir o EBV para outras pessoas.

Fatores de risco para o estilo de vida

É pouco provável que os adultos jovens saibam se foram ou não infectados pelo EBV quando criança. Você já pode estar imune ao mono ou ainda correr o risco de pegá-lo. Não há vacina e os exames de anticorpos não são realizados.

É difícil impedir que o mono se espalhe, mas você pode tomar os devidos cuidados se você ou outra pessoa o tiver (ou estiver se recuperando). É importante entender que a resolução de sintomas mono não significa que alguém seja menos contagioso. Por esse motivo, você precisa tomar precauções.

Precauções importantes

  • Evitando beijar
  • Evitando utensílios compartilhados
  • Evitar bebidas compartilhadas ou canudos
  • Cobrindo qualquer tosse ou espirro
  • Lavando as mãos frequentemente

Alguém com mono não é aconselhado a ficar em casa da escola ou do trabalho por ser infeccioso. Em vez disso, recomenda-se uma folga por causa dos sintomas que estão apresentando.

Embora o sexo oral não seja considerado o modo predominante de transmissão mono, a pesquisa sugere que taxas mais altas de mono são vistas em adolescentes sexualmente ativas.

Como tal, a atividade sexual pode precisar ser reduzida durante os estágios ativos da infecção como uma precaução adicional. Barreiras de proteção, como preservativos e barragens dentárias, podem ajudar a prevenir a propagação do EBV e também são úteis para prevenir infecções sexualmente transmissíveis e gravidez.

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.